Dia 28 de Abril

Porque o dia 28 de abril

Em 28 de abril de 1969, a explosão de uma mina no estado da Virgínia, nos Estados Unidos matou 78 trabalhadores. A tragédia marcou a data como o Dia Mundial em Memória às Vítimas de Acidentes do Trabalho. Adotou-se essa luta, mas com foco na prevenção. A Organização Internacional do Trabalho (OIT) instituiu em 2003 o dia 28 de abril como o Dia Mundial de Segurança e Saúde no Trabalho.

Em todo o mundo, anualmente, cerca de dois milhões de trabalhadores perdem suas vidas no trabalho. São 5 mil mortes por dia, três vidas perdidas a cada minuto, aproximadamente o dobro das baixas ocasionadas pelas guerras e mais do que as perdas provocadas pela AIDS. Doze mil das vítimas são crianças. Além de aproximadamente 160 milhões de casos de doenças ocupacionais, que são doenças provocadas por fatores relacionados com o ambiente de trabalho, ou às condições de trabalho às quais ele está submetido. As mais comuns são as Lesões por Esforços Repetitivos ou Distúrbios Osteomoleculares Relacionados ao Trabalho (LER/DORT), que englobam cerca de 30 doenças, entre elas a tendinite (inflamação de tendão) e a tenossinovite (inflamação da membrana que recobre os tendões).

Estatísticas de acidentes e doenças relacionados ao trabalho – dados da Previdência Social
Em 2007, do total de 653.090 acidentes do trabalho registrados pelo INSS, 63% corresponderam a acidentes típicos, 12% a acidentes de trajeto e 3% a doenças do trabalho além dos acidentes que não foram registrados em CAT, que corresponderam a 21% desse total. As mulheres participaram com 26% no total de acidentes registrados e o maior número de agravos (18%) foi registrado entre mulheres de 20 a 29 anos. O setor agrícola contribuiu com 4% do total de acidentes, enquanto indústria e serviços tiveram participações de 45% e 44%, respectivamente.

Em de acidente de trabalho, quem o trabalhador deve procurar?

Existem duas modalidades de trabalhadores os celetistas (Trabalhadores regidos pela CLT) e os estatutários (Trabalhadores Públicos regidos por estatutos). No estado do Ceará os trabalhadores públicos ou de empresas de pequeno porte assim como os informais dispõem do CEREST (Centro de Referencia em Saúde do Trabalhador) cujo trabalho está inteiramente voltado para a notificação dos acidentes de trabalho para trabalhadores desta categoria. Nesta região do sertão central temos o CEREST de Quixeramobim.

No entanto, nas empresas de médio e grande porte que possuam trabalhadores celetistas o trabalho é realizado com maior atenção, pois as fiscalizações e cobranças por parte dos órgãos fiscalizadores são maiores e a estrutura com profissionais da área da Segurança do Trabalho são mais atuantes. No caso do Hospital Maternidade Jesus Maria José, o trabalhador dispõe de uma equipe multidisciplinar especializada em Segurança do Trabalho com o SESMT e CIPA atentos a qualquer evento que venha a ocorrer, atuando de forma rigorosa na prevenção e monitoramento dos trabalhadores. Porém ao ocorrem um acidente, esta equipe entra em ação na atenção e cuidado com o acidentado e um conjunto de procedimentos são adotados.

1 – Avaliação imediata com o médico após o acidente;

2 – Avaliação do paciente fonte se isso for possível;

3–Teste rápido para HIV no acidentado e no paciente fonte se for do seu consentimento;

4 – Envio do Paciente ao SESMT para registro da CAT;

5 – Monitoramento Biológico do acidentado pó 01 ano, se for este o diagnóstico.

Segurança e Saúde para todos é um direito e não um privilégio

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *